HOMEM DO MOMENTO?

HOMEM DO MOMENTO?

Talvez isso seja sobre Alexandre Nero.

vt2.jpg Foto: Jornal Extra

Talvez muita gente sinta falta, em espaços de cultura como este, da presença de textos sobre novelas ou sobre algo que delas derive, já que são tão ricas nesse sentido. Eu sinto. Suspeitas à parte, a dramaturgia me atrai de uma maneira absurda, em suas mais variadas formas, incluindo a popular telenovela, a qual acredito ser uma manifestação cultural tão legítima quanto qualquer outra. Hoje, porém, trago esse assunto de maneira bem oportunista, apenas para tratar de um alguém.

Coloco a teledramaturgia como questão porque foi através dela que conheci um muso inspirador. Brega, eu sei. Em 2008, estava eu acompanhando a ótima trama de João Emanuel Carneiro, A Favorita, quando o humilde verdureiro Vanderlei me chamou a atenção. Sei lá se pelas tatuagens ou por me ser anônimo… Não conhecia aquele ator de olhos doces, voz mansa e interpretação autêntica. Tão peculiar e tão comum. Assim fui apresentada a Alexandre Nero.

A partir disso, percebi que meu senso de despertar interesse faz bastante sentido ao acompanhar os trabalhos televisivos posteriores de Nero – com ênfase no vilão Gilmar, de Escrito nas Estrelas(2010) e no vaidoso e divertido Stênio, de Salve Jorge (2012) –, bem como seu talento para a escrita e suas ideias ácidas cativantes. Fui conquistada.

Contudo, na vida, são muitas as paixonites culturais, Nero talvez fosse mais uma delas. Não fosse a surpresa que tive no fim de 2011: descobri que ele estava vendendo amor – em suas mais variadas formas, tamanhos e posições ainda por cima!

vt.jpg

Comprei. E a proposta era mais do que verdadeira. Invadiram-me a voz, as composições, a interpretação, a doçura de pulsos firmes. Sem contar o tanto de lindo que eram os videoclipes das canções que fui desvendando. Ouvi praticamente só isso até meados de 2012.

Em meio ao frisson causado pelo efeito comendador de Império, ao ser badalado como o homem do momento, o ácidoce Alexandre Nero garante: “É tudo para o personagem. Tudo culpa dele!”. Bom, da minha distante opinião amorosa e culturalmente estabilizada, aproveito-me da ocasião de sucesso-acontecimento para dizer que é muito pelo contrário: José Alfredo Medeiros, apesar de carismático personagem, precisa comer muito sarapatel para alcançar Alexandre Nero. Em seus detalhes, em seu poder de encantamento, em seu ser artista. Sim, é muito mérito dele. E que ótimo presente tornar um artista tão bom no que faz popular. Também por isso não desmereço as telenovelas.

Descaradamente, aproveito-me da comoção gerada pelos últimos capítulos de Império para sugerir que o homem do momento seja também o homem de depois do momento, assim como já me era o homem de antes do momento. Em resumo: deixo aqui meu Top 4 de Nero em seu papel – para mim, sem dúvida nenhuma – mais cativante. Tenho um palpite de que o encantamento irá perdurar. (Quem já conhece não vai se incomodar de ouvir/ver de novo, de novo de novo…)

1 – Tem fogo? Vamos incendiar!

2 – Quero brigas, quero beijos, quero rotina…

3 – Lave-me em água de chuva, leve-me pra ver o mar e love me.

4 – Vamos ser tão felizes, que fiquemos calmos. Tão calmos, que fiquemos fortes.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s