BRILHO ETERNO DE UMA MENTE SEM LEMBRANÇA E A INEVITÁVEL DOR DE AMAR

BRILHO ETERNO DE UMA MENTE SEM LEMBRANÇA E A INEVITÁVEL DOR DE AMAR

Quando perdemos um amor, tudo o que queremos é esquecer quem nos deixou, quem nos rejeitou. Mas será que esquecer é tão simples e indolor assim? Será que podemos realmente deletar o que nos une a outra pessoa?

756932_DUAL_mp400002.jpg

Brilho eterno de uma mente sem lembranças retoma os temas do tempo e da memória, exaustivamente trabalhados pelo cineasta francês Alan Resnais, de Ano passado em Marienbad e Hiroshima, mon amour em um estilo mais colorido.

O decorrer do tempo e as limitações da memória criam armadilhas que fazem a vida vivida e a lembrada ou simplesmente imaginada se embolarem, tema caro ao cinema moderno, em que a subjetividade e o mundo interior dos personagens com suas dicotomias importa tanto ou até mais do que a realidade objetiva.

O filósofo francês Gilles Deleuze considerou o cinema tema tão importante nas suas pesquisas que chegou a identificar os filmes como objetos e não como signos, isto é, representações. Para Deleuze o cinema era a própria vida, tema considerado polêmico e talvez por isso mesmo tão fascinante.

brilho-eterno-de-uma-mente1.jpg

Com imagens belas e oníricas, o filme mergulha no paradoxo das múltiplas possibilidades da vida versus alguns fatos e pessoas que determinam nossas escolhas e provocam nossos sentimentos. Apagar alguém da memória não significa eliminar a química existente com a mesma. Mesmo que fosse possível retirar a pessoa amada de nossas lembranças, ao conhecê-la novamente, em outro lugar e circunstância, provavelmente o amor começaria tudo de novo com pequenas diferenças, que nada alterariam o principal: algumas pessoas apresentam afinidades que duram a vida inteira, apesar dos conflitos existentes em qualquer relação.

Amar significa digladiar com o conflito, vencendo no dia a dia as incompatibilidades e jogando luz sobre o lado rico da relação. Quem opta pelo amor precisa construir pontes e não muros.

brilhooo4.jpg

Mesclando passado e presente, vida real e imaginada, boa parte da trama se desenrola na mente do personagem protagonista, que deseja simultaneamente esquecer e lembrar da mulher amada. Um elemento que merece destaque por sua contemporaneidade é a necessidade de exterminar a dor emocional rapidamente. Por medo de enfrentar o luto natural que decorre do fim de qualquer relação amorosa significativa, muitas pessoas optam por uma forma artificial de pular uma dolorosa, porém necessária fase da vida. Extremamente onírico, contemporâneo e visualmente criativo.

Brilho eterno de uma mente sem lembrança é simultaneamente uma aula de cinema no sentido não ortodoxo da palavra e uma profunda e dilacerante viagem ao nosso mundo interior, a tudo aquilo que precisamos ou desejamos esquecer para sobrevivermos à dor de existir.

 

Um comentário em “BRILHO ETERNO DE UMA MENTE SEM LEMBRANÇA E A INEVITÁVEL DOR DE AMAR

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s