COISAS QUE DEIXAMOS PELO CAMINHO

COISAS QUE DEIXAMOS PELO CAMINHO

Tudo passa, tudo se esvai – é uma constatação que sempre temos diante de uma perda. – Nos separar de algo que nos é importante é, pois, necessário para aprendermos que na vida não se pode, de forma alguma, carregar tudo conosco.

bike.jpg

Após um mês de espera, aquele garoto raquítico “voava” na sua inseparável “Monareta” rumo à livraria mais próxima – um dos exemplares da coleção acabara de chegar.

Da Agatha Christie ao Conan Doyle, do Alan Poe ao Stephen King – O que importava era o prazer de mergulhar naquelas aventuras e se embrenhar nos mistérios que só uma mente pra lá de inteligente como a do Hercule Poirot ou da Miss Marple seriam capazes de desvendar. O cheiro fresquinho do papel impresso se confundia com a ansiedade em devorar as historietas daqueles exemplares mágicos. Em sua casa, no quarto, o garoto possuía duas estantes, todas apinhadas de gibis e livros. Conhecia todos de cor e, sempre que podia, encontrava-se conferindo, um por um, os exemplares, como um guardião do tesouro fazia com suas preciosidades.

livros.jpg

Eram tempos diferentes (década de 80) – A gurizada do bairro compartilhava e curtia as novidades literárias que o garoto levava para casa. – Interessante se envolver com a magia saída daquelas páginas ilustradas. Fascinante viajar nas histórias contadas por tantos escritores imortais: Monteiro Lobato e o seu eterno Sítio do Pica Pau Amarelo, Marcos Rey e a fascinante coletânea de histórias da Série Vagalume, Poe e o seu temível Gato Preto, Stan Lee e seus fantásticos super-heróis, sempre ocupados em combater o mal.

O destino, portanto, joga as cartas mais imprevisíveis, resultando sempre em mudanças bruscas em nossa vida. No caso do nosso garoto, as velhas estantes contendo os inúmeros livros e gibis, inevitavelmente foram varridas pelo furacão do tempo. Objetos tão significativos, como aquele livro raro que fora presenteado pelo velho pai, isso sem falar da pequena e inseparável bicicleta… O tempo não perdoa!

retrovisor.jpg

Existem coisas que devemos deixar pelo caminho, quase sempre. O garoto acima ilustrado é apenas um exemplo entre milhares de pessoas que viveram sua infância e, tiveram a oportunidade de vivenciar seus sonhos e prazeres.

As pessoas que um dia achávamos serem imortais, que gostaríamos que estivessem sempre presentes em nossa caminhada também são levadas pelo mesmo furacão do tempo. No início, a dor pungente da saudade, com o passar do tempo, transmuta-se em doces lembranças. E o mais importante: as lições e o exemplo dessas pessoas ficam conosco, para sempre.

Portanto, se por acaso um furacão começou a varrer coisas importantes da sua vida, não tente segurá-las. É chegado o momento em que precisamos dar aquele adeus e agradecer pelas horas e dias que tanto nos enriqueceram. Afinal, não se pode carregar tudo conosco. Fica então a essência e os exemplos que nos tornarão pessoas melhores e, mais experientes.

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s