civilizações

SUA EXCELÊNCIA SABE O QUE É EXERCITAR O FEIO?

SUA EXCELÊNCIA SABE O QUE É EXERCITAR O FEIO?

“As feias que me desculpem, mas beleza é fundamental”. Vinicius de Moraes.

O que há de diferente entre o Belo e o feio, sendo que ambos habitam o mesmo território? O número de letras não deve ser; sobretudo, por que tanto uma palavra quanto à outra, são compostas por quatro letras. Então, o que faz com que a aplicabilidade de uma e de outra seja tão diferente?

notredame.jpg

Desde os tempos mais remotos, enaltecer o corpo e valorizar o Belo representava o potencial humano e suas fantasias mitológicas. Na Mitologia Grega e Feniciana, Adonis foi considerado o homem com poderes sobrenaturais de beleza. A masculinidade do mito resplandecia as íris dos olhos e arrebatava os corações. Quem se propunha a estudar o belo partindo dele, rapidamente dava conta que era impossível dar conta da pesquisa, tamanha era sua beleza. Adonis ultrapassava os limites do visível e irradiava beleza até para as vistas cegas.

Em contrapartida, quem sofreu o complexo da feiura na pele foi Sócrates e mesmo tendo sido considerado o senhor de inigualável sapiência e embora não fizesse milagre, comparado a Jesus Cristo; era destituído de qualquer beleza exterior e consequentemente, feio de fazer arder e turvar as vistas. Por sorte e quebra do paradigma, o oráculo de Delfos não levou esta realidade em consideração e conclamou-o como o cidadão Atheniense de maior relevância para a Filosofia e cultura da Grécia em sua época. O contraponto é que um copo de cicuta pôs fim, não em sua feiura, mas apenas em sua sapiência. Sua postura, retidão e crítica diante da sociedade e Estado o condenaram.corcunda-3.jpg

Quer coisa mais bela que a robustez da jovial virilidade? Chega ser poético, quando não, redundante. Existe o desqualificável no Neymar, onde o corpo, o olhar de soslaio, a profissão e poderio de bens materiais e coisas mais fazem dele um símbolo; uma beldade como homem? Apenas exemplo, mas como ele, existe outros muitos por aí. O mesmo aplica-se as mulheres: quem resiste a silhueta de uma mulher desfilando o seu lascivo charme dentro de um vestido colado? O batom vermelho na boca de uma dama, que passando a língua suavemente contra os lábios, insinua uma viagem à devassidão da carne? O Belo fascina. Embriaga. Fisga!“A beleza para mim é importante. Eu amei feias lindas, feias interessantes. Namorei muita mulher que eu considero esteticamente de nenhuma beleza, mas eram mulheres interessantes, mulheres que tinham alguma coisa”.Vinicius de Moraes tentou despistar, remendar, justificar a sua primeira versão sobre a beleza feminina; mas é evidente que ele como poeta e artista que foi, primava pela beleza física da mulher; sobretudo, as violadas curvas femininas além de inebriar, inspiram os poetas. Já o feio é melancólico, depreciável, deprimente. Um é alvo como a neve, o outro é breu soturno. Ocaso azulado, versus horizonte cinzento.Por sua vez, como representar o feio? Talvez estejam naqueles velhos Ingleses de guerra, que detidamente observavam ansiosos as portas de entrada do Depósito de Máquinas Emperradas, esperando visitas que jamais apareceram. Foram enxotados, amontoados, apinhados naquele lugar e ali permaneceram. Pelo visto, definharam ali; pois máquinas são excelentes se estiverem em movimento, produzindo sem ranger as engrenagens, economizando lubrificantes, sem gerar custos adicionais, etc. Caso contrário, serão eliminadas à base do automatismo pelas enferrujadas engrenagens do tempo.Máquinas emperradas necessitam de carinho espontâneo, autêntico, isentos de pó, atributos que estão extinto do âmago humano. Necessitam de paciência para ouvir os seus desalentos; examinar minuciosamente à procura dos problemas, ocorrências e traumas; cautelosamente aplicar os reparos porque o coração e artérias não suportam doses elevadas de medicamentos, cirurgias e fortes emoções; enfim, para conviver com máquinas velhas é preciso entender de velhice e como escrito nas Escrituras, ter paciência de Jó. Ser mecânico de máquinas emperradas não é nada fácil; soma-se aos requisitos, a escassa Literatura sobre o assunto! Sobretudo, o conhecimento e o pseudo-humanismo gravitam em torno de teorias e títulos.

Produzem curso para tudo; exceto para repensar o conceito sobre o que é socialmente igualitário ao Belo, e aderi-lo integralmente. Emperrados como máquinas, os Ingleses não teriam nada a dizer; nada mais seria útil socialmente? Experiência demais induz os experientes aos vícios inócuos.orelha.jpg

Van Gogh realmente devia estar mergulhado em mundos alucinados, dominados pela depressão, quando por conveniência, cortou a orelha e através dessa horrível insanidade, pintou o seu autorretrato. Que beleza há naquilo, que avaliam em milhões de dólares?Enquanto o feio é um exercício de paciência envolto na razão, o Belo é a representação das vazias emoções e forte agente/vetor das confluências do poder. Por vezes, ser Belo é atingir a plenitude do nirvana social. O feio necessita do amor ágape, mas às vezes o que encontra são olhares evasivos e por vezes, canalhas!

Mergulhando um pouco nas águas plácidas e veneradas do Belo, quem recusa o sorriso, ou mesmo o choro de uma criança? Protegidas por lei; são tratadas como cristais intocáveis. São as primeiras em tudo; idolatradas por ser novas em folha. Tenras. Viçosas!E os feios, quem os defendem e onde irão parar? Retornariam aos tempos mais imemoriais; isso por que os tempos modernos não toleram o horroroso. Fujam Filósofos, Físicos, Druidas, Alquimistas, Iluministas, Jesus Cristo, Leonardo da Vinci, Arquimedes e muitos outros, porque a época atual pertence ao Belo. Pensando melhor: fiquem. Afinal, as abalizadas teorias e o conhecimento humano desabariam, cairiam por terra, devolvendo o mundo às trevas. O que os feios pesquisaram, estudaram e construíram com suor e lágrimas de sangue, o Belo usa sem o menor questionamento e constrangimento. Foi-se a época dos porquês. Estando pronto, fácil é usar.Há certas teorias, ensinamentos, teses humanistas e conceitos programáticos impostos pela sociedade que por mais que eu tente acomodá-las nas prateleiras, o meu museu recusa a aceitá-las. Este ambiente de relíquias amorfas é como o meu espelho cristalino: mesmo que evidencie a imagem, importam-se é com o não visto. Estranho a rejeição e seleção natural desses objetos; mas tenho que aceitar. Quem sou eu para ignorar quem está além das fúteis superficialidades! Pelo visto, deve-se prevalecer o que foi dito em certa ocasião pelo espelho: “as relíquias que estão tentando aprender a preservar, eu e as prateleiras de vosso museu, dispensamos”.

Assim começou a rebelião da erudição e o Belo. Naquela época aceitavam plenamente o que é feio.No dia em que investirem o passatempo dos desfiles de moda nas passarelas dos hospitais, o feio tornará humanamente Belo; enquanto isto não acontecer e jamais acontecerá, deve-se acreditar e admirar apenas o feio dos cafundós de mundo, aquele que não conheceu e não se importa em conhecer o moderno e dito Belo; afinal, esses são reis que fazem da beleza, as gravatas que estrangulam os feios/súditos.O feio é prisioneiro do Belo. Um é vida; o outro é morte. O Belo faz morada no Jardim do Éden e o feio torra suas esquisitices nos borralhos do inferno.

recebendoágua.jpg
O que estamos fazendo para mudar esse quadro? Sobretudo, o feio é tão necessário quanto o Belo. Em determinados casos, mais Belo que o belo.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s