Textos

VOCÊ ESTÁ PRONTO PARA CRIAR RAÍZES?

VOCÊ ESTÁ PRONTO PARA CRIAR RAÍZES?

De repente, bate uma vontade de ter um cantinho para chamar de seu: um lugar para onde voltar. Ai, que valor a gente começa a dar à rotina, aquela comodidade de comprar pão quentinho, todos os dias, na mesma padaria.

japan-956073_640.jpg

Esta poderia ser a história de qualquer um, qualquer um que acreditou que nunca criaria raízes, qualquer um que achou que nunca fincaria os pés no chão. Você já foi uma dessas pessoas? Eu já. Olhava com desconfiança para os milhares de textos que habitam a Internet sobre o que você fazia aos 20 anos que não faz mais aos 30 ou 40. Bobagem isso, pensava eu, essa maturidade nunca chegará. Tudo o que eu quero é viajar, viajar e viajar.

Saí do Brasil cedo e passei alguns anos pelo mundo. Andei, corri, amei, desamei. E, para minha própria surpresa, um dia voltei. Voltou por quê, as pessoas perguntam? Porque queria novamente pertencer a algum lugar. Há um conceito no dicionário informal que define bem esse sentimento: “A sensação de pertencimento significa que precisamos nos sentir como pertencentes a tal lugar e, ao mesmo tempo, sentir que esse tal lugar nos pertence. Assim, acreditamos que podemos interferir e, mais do que tudo, que vale a pena interferir na rotina e nos rumos desse tal lugar”. Para mim, pertencer é dizer algo do tipo “Silvio Santos é o cara” e todo mundo entender.

Durante muito tempo, evitei fazer um plano telefônico pós pago por mero medo de ter que me comprometer por 1 ano com a operadora. Não, isso era demais para mim, 1 ano era tempo demais para mim. Eu era um ser do mundo e achava que liberdade era algo inversamente proporcional a fidelizações de qualquer tipo.

Mas a verdade é que a maturidade chega, acredite! Chega de mansinho, aqui e ali. E vai te fidelizando, aqui e ali. Vai te prendendo, aqui e ali. Vai te agradando, aqui e ali. E quando você se dá conta, aquele texto sobre o que você não faz mais aos 30 (porque não quer) começa a fazer todo o sentido.

De repente, bate uma vontade de ter um cantinho para chamar de seu: um lugar para onde voltar. Ai, que valor a gente começa a dar à rotina, aquela comodidade de comprar pão quentinho, todos os dias, na mesma padaria. Quem sabe tomar um café na companhia dos vizinhos, quem sabe encontrar um amigo cruzando a esquina.

E aquela vontade incontrolável de viajar, ganhar o mundo? A minha não acabou, não! Os amantes da estrada nunca estacionarão, nunca deixarão de ser pássaros. Porém, com o tempo, a gente deixa de querer conhecer 75 países em 5 dias. A gente aprende que, muitas vezes, mais vale conhecer profundamente apenas um. Portugal de motorhome, por exemplo.

Ah, rotina! Nunca achei que você pudesse ser assim tão interessante, cheia de coisas, livros, vizinhos, café, amor. O bom desta vida é pertencer (e se fidelizar) a você mesmo! Finalmente, quando a maturidade chegar, será possível entender o que sua mãe dizia, na incorrigível mania de te prender debaixo da asa: a melhor parte da viagem, meu filho, é a volta pra casa!

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s