A HIPÓCRITA SINCERIDADE

A HIPÓCRITA SINCERIDADE

Defendendo a sinceridade absoluta, percebi que a hipocrisia é necessária, mesmo que apenas para superar algo ainda pior: nossa intolerância.

Eu era defensora irremediável da sinceridade a qualquer preço, em toda e qualquer situação, independente do resultado, independente dos envolvidos, e todo resto era sistematicamente taxado como hipocrisia. E nem estou me referindo a questões sérias, que exigem a verdade como pressuposto básico, estou falando de situações em que era possível calar sem nenhum prejuízo (muito pelo contrário, o prejuízo era justamente incorrer no erro de abrir a boca). Obviamente nunca fui uma pessoa sociável, nem de grande coleguismo. Sempre achei perda de tempo e de dinheiro essas relações hipócritas da vida adulta, de falsos sorrisos e disfarces, com relações vazias que desapareceriam automaticamente no primeiro contratempo.

masks-599012_960_720.jpg

A grande questão é que a verdade me escapa, invariavelmente. Quando não falo nada, são minhas expressões que me entregam, ou o olhar, as caretas. Não bastando, tenho uma forte tendência a expressar mais claramente quando não gosto de algo, quando estou com raiva, ou impaciente. Então acabo parecendo muito mais crítica do que gostaria.

Porém, em um momento, cansei tanto do humor ácido que antes chamava de inteligente, quanto das verdades cuspidas na cara, da arrogância e das situações embaraçosas, que decidi que um bom e velho “deixa pra lá” cairia bem. Cheguei ao ponto em que fui convencida de que uma cordialidade vazia era o suficiente para as relações igualmente vazias, e que isso não seria hipocrisia nem falsidade, seria apenas um facilitador social.

statue-976552_960_720.jpg

Já nas relações mais próximas, algumas doses de respeito e bom senso, talvez tolerância e paciência, qualquer coisa que não tornasse os encontros como os de família (um ótimo exemplo para explorar essas situações e exercitar bons modos), tendencialmente desastrosos. Só que essa reflexão está ocorrendo comigo, e não com toda a família ou a sociedade e, claro, se estou nessa onda de “tá tudo bem”, as pessoas ao redor estão se lixando para isso. E observando as relações percebi que é a intolerância que vem mascarada de sinceridade e que poucas pessoas que conheço se dão ao luxo de calar suas opiniões e paradigmas em prol de uma convivência razoável.

Tenho colhido frutos inversos, se antes eu causava mal estar, agora sou eu quem sente-se mal, tentando reverter situações e pisando em ovos nas complicadas interações humanas. E ainda tenho a expressão facial incorrigível e o novo péssimo hábito de compartilhar com os envolvidos como me sinto no meio da relação caótica. O resultado, tão explícito quanto eu, são das mesmas pessoas insatisfeitas, inclusive comigo, enquanto tento amenizar intolerâncias alheias. Só que agora me importo. Ver a complexidade de cada pessoa me trouxe um encantamento para a vida. Sinceramente interessantes esses seres humanos.

 

Anúncios

Um comentário em “A HIPÓCRITA SINCERIDADE

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s