Rachaduras nas paredes do Universo

Rachaduras nas paredes do Universo

(superinteressante)
POR Alexandre Versignassi 

marble

Depois do céu, tem outro céu. Sem estrelas. Se você voar alto o bastante, uma hora sai da Via Láctea. As estrelas vão ficar lá embaixo, confinadas em braços espirais. Mas ainda vai existir um céu, e ele será pontilhado de galáxias. E depois desse céu, tem outro céu. Sem galáxias.

É o que os telescópios mostram. Para além das galáxias, o que existe é uma sopa de radiação. Um caldo onipresente – que os astrônomos chamam de “radiação cósmica de fundo”. “De fundo” porque permeia tudo o que dá para ver além do domínio das galáxias. Para qualquer canto que você apontar um telescópio, essa radiação vai estar lá. Na prática, elas formam as paredes do Universo. E foi nessas paredes que acabaram de fazer uma das descobertas mais bonitas da história.

Essas paredes já eram bem conhecidas. Elas são a maior evidência do Big Bang, e, de quebra, a maior amostra de que o senso comum não entende o que realmente foi o Big Bang. Para começar, a explosão que deu origem ao Universo não foi uma explosão. Ela AINDA É uma explosão. O Big Bang continua big bangando, porque o Cosmos continua expandindo. E cada vez mais rápido. Vivemos dentro de uma “explosão controlada”. Mais importante: o Big Bang não aconteceu em algum lugar distante nas profundezas do Cosmos. Ele aconteceu exatamente aí, onde você está agora. Ele aconteceu em Guarulhos, em Júpiter e na sua testa. Ao mesmo tempo. É que, há 13,7 bilhões de anos, tudo o que existe hoje na terra, no céu ou na sua cabeça, estava espremido no mesmo ponto. E do lado de fora desse ponto não existia um “lado de fora”. Não existia nada. Todo o espaço e tudo o que preenche o espaço estava contido lá. Tudo mesmo: da energia que forma os átomos do seus cílios ao espaço físico que separa São Paulo do Rio – ou a Via Láctea da Galáxia de Andrômeda. Tudo bem apertado, numa quantidade de espaço que caberia na ponta de um alfinete.

O Big Bang foi a expansão dessa quantidade de espaço. E ainda é, já que o espaço continua inflando como uma bexiga descomunal. Essa expansão, por sinal, chegou a ter uma fase especialmente acelerada – um período de trilionésimos de segundo que os astrônomos chamam de “inflação cósmica”. Para localizar melhor: o Big Bang, estritamente falando, foi o momento em que o Universo saiu do nada para virar algo do tamanho de uma partícula subatômica. Depois desse pequeno passo, veio o grande salto: a inflação cósmica. Foi aí que o Universo deixou de ser uma partícula e virou algo parecido com isso que a gente vê à noite pela janela (ainda sem estrelas, ou átomos, ou luz, mas ainda assim algo grande). Essa puberdade cósmica passou rápido. Uma fração de trilionésimo de segundo e já era: o ritmo da expansão voltou ao normal. Mas a inflação deixou rastros, resquícios daquele tempo especial, em que o Universo era uma partícula subatômica.

Foi um desses rastros que o time do astrônomo John M. Kovac, do Centro de Astrofísica Harvard-Smithsonian, pode ter encontrado no céu do Polo Sul em 2014. Eles perceberam “rachaduras” nas paredes do Universo. Ondas, na verdade, permeando a radiação cósmica de fundo.

E aí que está a beleza da coisa. Por causa do seguinte: a ciência sabe que as forças da natureza se manifestam em forma de ondas. E existem quatro dessas forças. As duas mais ocultas são a nuclear forte e a nuclear fraca, que agem nos núcleos atômicos e são a fonte do que chamamos de “radiação”. Ambas são entendidas como ondas. A terceira é a força eletromagnética, que além de dar poder aos ímãs e manter as moléculas do seu corpo unidas, também pode ser testemunhada na forma de ondas bem visíveis: a luz é uma onda eletromagnética.  Mas tinha um buraco nessa história. Ninguém nunca tinha encontrado as ondas que deveriam formar a gravidade, justamente a mais óbvia das quatro forças.

No dia 11 de fevereiro de 2016 esse problema acabou, com o anúncio de que os cientistas do LIGO, um observatório dedicado a encontrar as furtivas ondas da gravidade, cumpriu seu objetivo. Agora será mais fácil estudar buracos negros, por exemplo, já que a única coisa detectável que eles emitem são ondas gravitacionais.

Mas a história dessas ondas vai mais longe. O time de Kovac, lá em 2014, disse ter encontrado um vestígio de onda gravitcional “impresso” no Cosmos. É que, se existem ondas visíveis nas paredes do Universo, como os caras teriam visto lá no Pólo Sul, ondas gravitacionais, provavelmente geradas pela violência da inflação cósmica – dá para imaginá-las como cicatrizes daquele crescimento fulminante. Para todos os efeitos, seriam fósseis vivos da adolescência tumultuada do Cosmos, marcas do tempo em que o Universo era uma só partícula.

Ainda não existe consenso sobre se o achado deles se trata mesmo de ondas gravitacionais – existe até a hipótese de que a coisa era só poeira cósmica. Mesmo assim, a teoria de que a inflação cósmica criou estrias na paredes do Universo continua firme, só esperando mais evidências.  E ela serve para lembrar a gente de algo mais profundo: de que somos tão parte do Universo quanto na época em que estávamos todos juntos, ali, naquela ponta de alfinete.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s