Cientistas estão usando técnicas criminalísticas para identificar Banksy

Cientistas estão usando técnicas criminalísticas para identificar Banksy

A pesquisa utilizou uma técnica conhecida como Processo Dirichlet, comumente usada para encontrar serial killers

(superinteressante)
POR Felipe Germano

Grafite Banksyrafalkrakow | iStock.com

Banksy é, provavelmente, o mais famoso grafiteiro da atualidade. Ironicamente, ele também é um dos mais misteriosos. Apesar de suas obras serem vistas desde o começo dos anos 2000, ninguém sabe a identidade do artista. Agora, cientistas da londrina Universidade Queen Mary usaram procedimentos criminológicos para identificar o grafiteiro.

A técnica usada é conhecida como Processo Dirichlet, onde mapeiam atividades de determinado indivíduo para encontrar os pontos onde a pessoa mais age. É o que chamam de “perfil geográfico”. A partir desses dados, os cientistas são capazes de comparar com os hábitos da lista de suspeitos, e consequentemente diminuí-la. O procedimento é comumente usado para traçar o comportamente de serial killers.

LEIA:Banksy vende obras milionárias por 60 dólares e mostra no YouTube

O estudo confrontou os dados levantados com o maior suspeito de ser Banksy: o britânico Robin Gunningham. O homem foi apontado como possível identidade de do artista em 2008, em um artigo publicado no jornal britânico The Mail on Sunday. Desde então, a assessoria de Banksy nunca se pronunciou u se ele é de fato o grafiteiro.  Entretanto, se depender dos cientistas envolvidos na pesquisa, a confirmação nem mais tão necessária assim, os dados bateram e Gunningham se mostrou como a identidade mais possível. “No começo eu pensei que selecionaria os 10 maiores suspeitos e avaliaria cada um (ocultando seus nomes), mas rapidamente ficou claro que só havia um suspeito real”, afirmou à BBC britânica o biólogo da Universidade Queen Mary, Steve Le Comber, um dos responsáveis pela pesquisa. “Se você colocar no Google ‘Banksy e Gunningham’, você consegue cerca de 43.500 resultados. Eu ficaria surpreso se ele não fosse o Banksy, mesmo sem nossa análise, mas é interessante que a pesquisa apresenta um reforço para essa ideia”, conclui.

Os envolvidos afirmam que, na verdade, a ideia por trás da pesquisa é mostrar que o Processo Dirichlet pode ser usado com mais frequência. Os cientistas acreditam que a técnica pode ter utilidade, por exemplo, para que se encontre pessoas que cometem pequenos delitos antes que elas façam parte algum crime mais sério.

Ainda de acordo com a BBC, a assessoria de Banksy tentou impedir – por meio de seus advogados – que o estudo fosse levado à público. O periódioco Journal of Spatial Science, no entanto, publicou a pesquisa na última semana.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s