Revirando mesas (Flavia C da Silva)

Revirando mesas (Flavia C da Silva)

Estamos perto demais para começar uma guerra.
Todas as minhas coisas estão no chão.
Só Deus saber por que estamos brigando.
Tudo o que eu digo você sempre diz mais.

Eu não posso continuar,
Revirando mesas,
Com suas mãos apertando,
Eu não posso respirar.

Então eu não vou deixar você se aproximar,
Para me machucar.
Não, eu não vou perguntar,
Eu sei que você irá me abandonar.
Eu não posso dar a você,
O que você acha que me deu.
Está na hora de dizer adeus.
Para as mesas reviradas.

Da mesma maneira dura eu vejo,
Que onde o amor se perdeu,
Seu fantasma o encontrou.
Eu enfrentarei centenas de tempestades,
Para deixar você.
Eu sei que é difícil tentar,
Mas eu nunca serei derrubada.

Eu não posso continuar,
Revirando mesas,
Com suas mãos apertando,
Eu não posso respirar.

Então eu não vou deixar você se aproximar,
Para me machucar.
Não, eu não vou perguntar,
Eu sei que você irá me abandonar,
Eu não posso dar a você,
O que você acha que me deu.
Está na hora de dizer adeus.
Para as mesas reviradas.

Revirando mesas…

Na próxima vez terei coragem,
Eu serei minha própria salvadora,
Quando ouvir os trovões me chamarem.
Na próxima vez terei coragem,
Eu serei minha própria salvadora,
Ficarei sob meus próprios pés.

Então eu não vou deixar você se aproximar,
Para me machucar.
Não, eu não vou perguntar,
Eu sei que você irá me abandonar,
Eu não posso dar a você,
O que você acha que me deu.
Está na hora de dizer adeus
Para as mesas reviradas.

Revirando mesas.

Licença Creative Commons
Revirando mesas de Flavia C. da Silva está licenciado com uma Licença Creative Commons – Atribuição-SemDerivações 4.0 Internacional.

Anúncios

Autor: fcrissilva

"Eu sou o tudo. Eu sou o Nada. Sou os livros que li, os momentos que passei, eu sou os brinquedos que brinquei, e os amigos que conquistei. Sou o amor que dei, e os amores que tive, as viagens que fiz, e os esportes que pratiquei. Sou minha matéria preferida, minha comida predileta, essa sou eu...eu mesma, será que vais entender? Sou o ódio resguardado, sou os sonhos realizados, os objetivos alcançados. Eu sou o meu interior, mas tambem meu exterior. Sou um conjuntos de fatores que você não pode entender. Sou a saudade, os abraços que já dei, eu sou o passado, mas também o presente e o futuro, sou os meus atos. Sou o perfeito, Mas também sou o imperfeito. Sou o contraste e a contradição. Sou a complexidade do mundo. SOU O QUE NINGUEM VÊ."

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s