AFINAL, O QUE É SER BELO?

AFINAL, O QUE É SER BELO?

A beleza é determinada de acordo com a época em que vivemos ou ela é subjetiva? Como vamos estabelecer o que é esteticamente belo se cada um de nós carrega uma bagagem diferente e tem percepções particulares? Como alcançar a beleza ideal se ela está sujeita a mudanças de tempos em tempos? O que significa essa tal de beleza?

ericterradeunsplash.jpg
Mona Lisa de Leonardo da Vinci é considerada bela até hoje, por causa de suas proporções e simetria. Foto por: Eric Terrade, Unsplash.

A palavra estética vem do grego aisthésis que significa percepção, sensação e sensibilidade. E esse é o termo utilizado para a parte da Filosofia que estuda a beleza, as emoções provocadas por sua percepção e também a noção do feio (aquilo que é desprovido de beleza).

Na Grécia antiga, o pensador Platão foi o primeiro a se arriscar a definir o que é beleza. Para o filósofo, o que era belo também era bom, puro e verdadeiro. Conseguir contemplar a beleza significava que sua alma conseguia se recordar de outras vidas. A beleza nada mais seria do que a cópia de coisas vistas nessas outras vidas. Ele acreditava em uma beleza absoluta que poderia se comunicar com os seres através dessa lembrança e isso os tornava belos, de acordo com o nível dessa ligação. Já para seu discípulo Aristóteles o belo não está vinculado a uma beleza maior e sim a proporção, a grandeza e a harmonia das partes em relação a um todo.

O ideal grego de beleza usado até o século XVII era aquilo que tinha simetria, proporção, equilíbrio e ordem e permaneceu assim, influenciando inclusive a arquitetura das igrejas (que tempos depois usaram o principio da simetria em sua decoração). Só depois desse século é que surgiu o conceito de que o belo é algo subjetivo, relativo, de gosto individual e da maneira como cada um percebe o objeto. Cada pessoa carrega uma bagagem, uma cultura, uma crença que a faz ver as coisas de maneiras diferentes. Logo, a beleza é definida por suas vivências pessoais.

ianschneiderunsplash.jpg
Foto por: Ian Schneider, Unsplash

Para o filósofo alemão Immanuel Kant, apesar de a beleza ser definida individualmente, ainda existem conceitos universais que todos nós usamos ao julgar algo. Nossos sentidos e nossa imaginação são comuns a todos os seres humanos e tornam possível a percepção das coisas, ou seja, o juízo estético é induzido através da imaginação (nos dando prazer) e não pelo pensamento lógico. Kant defendeu que é impossível julgar racionalmente o belo. Nós sabemos que cada um de nós tem visões diferentes de beleza, apesar disso todos nós esperamos que os outros concordem conosco sobre o que é belo a nossos olhos. Porém, algo que é belo para mim, também pode ser, embora não obrigatoriamente, para você. E é esse prazer compartilhado por mais de uma pessoa que torna esse conceito universal. Mas será que colocar conceitos sobre o que é belo é certo? Kant escreve que “Quando se julgam objetos simplesmente segundo conceitos, toda a representação da beleza é perdida”.

Georg Hegel, filósofo alemão, defende que a noção do que é belo muda de acordo com a época em que se vive e não é definida em um só conceito. O que é feio agora pode ser belo amanhã. O que é bonito hoje pode ser feio futuramente.

O belo de ontem, de hoje e de amanhã

A palavra belo vem do latim bellus, que significa “lindo, bonito, encantador”. Na época clássica era um termo pejorativo para homens, mas algo bom para mulheres.

venus de  Willendorf wiki.jpg
Vênus de Willendorf (Wikimedia Commons)

Na pré-história mulheres obesas tinham o tipo físico ideal, pois significava que eram bem nutridas, o que supostamente as tornava melhores para procriar. Há 28 mil anos, a Vênus de Willendorf possuía a aparência considerada bela. A beleza para os homens gregos, era cuidar do corpo, mantendo a aparência forte e musculosa e cabelos encaracolados. As mulheres gregas evitavam expor-se ao sol (o bronzeado era considerado feio) e seus corpos eram mais cheios (com curvas acentuadas), seios pequenos, pele clara e cabelos longos (melhor ainda se fossem ruivos). Além disso, o belo era definido também pelo intelecto e pelo estilo de vida que eles levavam e não apenas pela aparência do corpo em si.

wikimediacommonsvenusdemilo.jpg
Vênus de Milo era exemplo de beleza ideal (Wikimedia Commons)

Na idade média, a aparência não era importante por ser considerada pecaminosa, o foco eram as características morais. A mulher devota, de alma pura, casta, com lábios pequenos e cabelos louros eram belas. Homens tinham que ter poder.

No renascimento a gordura entrava como ideal de beleza e representava o poder aquisitivo da pessoa para comprar alimentos. Para homens e mulheres, ter braços e quadris avantajados era sinal de riqueza. Cabelos longos e barriga aparente eram o ideal para elas.

tresgracasrubens wikipedia.jpg
As três graças, de Rubens (Wikimedia Commons)

wc-banhistarenoir.jpg
Um dos quadros de banhistas de Renoir (Wikimedia Commons)

Na época barroca elegância era sinônimo de beleza, assim como roupas refinadas. No Romantismo o bonito mesmo era ser triste e doente. Quanto mais palidez, olheiras e cabelos bagunçados para as mulheres, melhor. Homens deviam ser boêmios para serem belos.

Hoje em dia

A mídia criou padrões de beleza inatingíveis, mascarados por efeitos de programas digitais. Tem casos que nem o artista fotografado se reconhece nas fotos. Criando pessoas insatisfeitas com seus corpos e que nunca alcançarão seus objetivos (pois eles são irreais), a indústria da beleza lucra alto com a venda de produtos. Nunca se variou tanto os padrões de beleza em um curto espaço de tempo. O bonito dos anos 40 era ter curvas a la Marilyn Monroe, a regra era se inspirar nos astros de Hollywood, já na década de 60, a magreza de Twiggy era ideal. Nos anos 80 o corpo esculpido por ginástica era belo, mas sem exageros, diferente dos anos 2010, onde a febre era fitness, de corpos musculosos, com horas de academia e com alimentação regrada.

Finalizo com o que diz Zeca Baleiro em uma de suas músicas: “Baby você não precisa de um salão de beleza. Há menos beleza num salão de beleza. A sua beleza é bem maior do que qualquer beleza de qualquer salão”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s