QUAIS SÃO AS SUAS INVEJAS?

QUAIS SÃO AS SUAS INVEJAS?

Eu tenho, você tem e posso dizer, com 100% de certeza, que seus pais e vizinhos também nutrem — no mais íntimo de suas existências — algum tipo de inveja. E isso nem sempre é algo ruim: pode ser um estímulo para que você se torne quem deseja ser amanhã.

inveja.jpeg

Tenho que confessar que um dos meus passatempos preferidos é rever entrevistas antigas de pessoas que eu considero fodas — é Chico, Clarice, Woody, etc, etc. Nesta loucura que é a internet, me deparei, novamente, com a entrevista da escritora Fernanda Young ao programa Provocações, de Antônio Abujamra (que Deus o tenha!).

A relação entre a entrevista e o tema “inveja” se dá por conta da resposta da escritora em relação a uma pergunta direta do entrevistador:

Você é falsa e invejosa?

“Eu não sou falsa porque assumo minhas invejas. Eu sou provavelmente invejosa e isso é fundamental de ser assumido. Inclusive, a inveja não é um sentimento negativo, é um sentimento necessário… Eu tenho muita inveja de mim mesma, tenho inveja de tudo o que me atrai, me encanta, de tudo o que eu gostaria de ser…”, disse Young.

A resposta serviu de reflexão por muito tempo e me fez pensar que o melhor mesmo é fazer como Fernanda, e assumir as invejas e trabalhá-las de modo que caia por terra os resquícios de uma educação formal que transforma tal sentimento em algo antiestético.

Eu tenho uma lista imensa de invejas e acredito que nutrir tal sentimento seja positivo, uma vez que, ao invejar algumas personalidades, culturas e comportamentos, eu acabo refletindo sobre minha própria condição enquanto ser humano. Em que posso melhorar para ser parecido com esse cara que eu acho foda?

Não é querer ser “igual a fulano, imitar beltrano ou puxar o tapete de sicrano”. Longe disso, minhas invejas servem como referenciais, pessoas que admiro e que de certo modo têm influência no meu modo de ser/pensar.

Minha lista é longa, mas resolvi anotar algumas das minhas invejas. Acho que o resultado é quase que terapêutico. Não há nenhum tipo de seleção e os nomes foram surgindo.

Aqui vão algumas das minhas invejas:

1 — Tenho inveja dos textos da Eliane Brum, aliás, do trabalho dela como um todo — enquanto documentarista, escritora e jornalista. Tenho inveja do olhar dela e da maneira como coloca o mundo e os sentimentos no papel.

2 — Tenho inveja da escrita de Chico Buarque, de sua capacidade criativa, das letras que compôs… Tenho inveja também da boemia que o cercou (e cerca). Das mesas rodeadas de poetas, das conversas que ele deve ter com amigos próximos, e…

3 — Tenho inveja de Vinicius de Moraes. De sua capacidade aglutinadora, inveja do seu estômago sempre forte para mais uma dose de uísque (odeio uísque!). Inveja de seus anos como diplomata, inveja de suas habilidades para flertar e conquistar as pessoas.

4 — Tenho inveja dos jornalistas experientes com olhar clínico. Aqueles que enxergam erros e minúcias. Aqueles disciplinados que apuram e escrevem com primazia. Aliás, invejo os jornalistas que acreditam em vocação e que, de certo modo, levam a exaustiva lida como vocação.

5 — Tenho inveja das pessoas extremamente organizadas e disciplinadas. Um adendo: inveja do povo alemão. Inveja da filosofia “esforço seguido de pequeno prazer” do dia-a-dia dinamarquês — o que eles chamam de hygge e, com certeza, mereceria um post neste espaço.

6 — Tenho inveja de quem faz refeições calmamente, regadas a azeite e peixes no Mediterrâneo. A vida nos pueblos da Espanha e nas ilhas gregas parece mais agradável com a lei moral de descansar do meio dia às 3.

7 — Tenho inveja da Mallu Magalhães, não apenas por ser precoce, mas por dizer que “tem acordado cedo e se sente ótima”. Eu queria tanto acordar cedo de bom humor…

8 — Tenho inveja do Ronan Farrow, cruzamento puro sangue entre Mia Farrow e Woody Allen, que entrou na universidade no início da adolescência, se tornou conselheiro da secretária de Estado Hillary Clinton aos vinte e poucos anos, e hoje comanda seu próprio programa jornalístico.

9 — Tenho inveja do Zeca Camargo, por ter viajado o mundo e — ao que tudo indica — ter uma coleção monstruosa de livros e CDs. Essa inveja se extende aos nômades digitais que mantêm blogs de viagem e vivem do que escrevem.

10 — Tenho inveja do Fábio Porchat simplesmente por ser um cara que faz tudo ao mesmo tempo, e faz bem feito (ao menos pelo que consigo acompanhar!). O cara consegue escrever uma coluna semanal, roteirizar vídeos para o YouTube, fazer cinema e televisão… Putz, minha mente embaralha só de pensar nisso tudo.

*Aqui preciso acrescentar também minha puta inveja do Gregório Duvivier. Meu Deus, como aquele cara escreve bem…

11 — Tenho inveja dos monges budistas que conheci no Camboja. Por mais que eu tente, meditar parece algo tão distante e tão complicado. Minha mente é muito maluca para o sossego.

12 — Tenho inveja da Frida Kahlo, que conseguiu transpor sua vida, amores e sofrimentos para as telas. Eu mal sei desenhar uma casinha com árvore no quintal…

13 — Tenho inveja de Che Guevara jovem. Daquele cara novo que sai de motocicleta pela América Latina e descobre um sentido maior para sua vida. Não é isso que todos nós procuramos?

14 — Tenho inveja mortal dos baianos, principalmente os que vivem no litoral.

15 — Tenho inveja de grandes fotógrafos; de Sebastião Salgado em especial. Como alguém pode realizar trabalhos tão geniais quanto Gênesis e Trabalhadores?

16 — Tenho inveja dos beatniks, em especial de Jack Kerouac, que experimentou viajar com intensidade e conseguiu, posteriormente, escrever tudo o que viveu em uma noite só, em um rolo de telégrafo. Eis On the Road!

18 — Tenho inveja do Bono Vox, simplesmente por ele ser um chato que o mundo tem de suportar. Falem mal do Bono, mas suas músicas e seu ativismo continuam relevantes.

19 — Tenho inveja dos observadores. Dos calados que fazem leitura mental do que acontece ao redor mas se abstêm de qualquer tipo de opinião. Eu opino muito, sempre tenho algo a dizer a respeito de… Foda-se o que eu penso!

20 — Tenho inveja de gente foda. Gente que peita e faz. Gente que assume. Gente que fracassa e persiste porque sabe que lá na frente as coisas vão dar certo. Gente que não se abate com críticas.

21 — Tenho inveja do príncipe George, por motivos óbvios…

Sem mais!

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s