VERBO NO INFINITIVO

VERBO NO INFINITIVO

Amar é estar em sintonia com outro ser humano, é o maior exercício de empatia que podemos realizar. É uma poesia intimista que emana todos os dias de várias formas diferentes e que proporciona uma evolução para a alma humana.

love-is-illustrations-korea-puuung-89-574fed45684c5__880.jpg

Então, o amor. Que sentimento esse capaz de causar tamanha divergência emocional, que objeto de desejo criado pelo próprio homem, mas que por sua natureza íntima e intensa deixou de ser colonizado, tornando-se tão independente? O amor às vezes parece ter vida própria, fugiu do nosso controle e se encontra no mais alto patamar sentimental, ele pode ser a salvação tanto quanto levar à perdição.

Como tantas outras coisas que o homem batizou, amor é um daqueles nomes subjetivos, que pode levar a diversos pensamentos. Para os gregos, havia três formas de amar: “philia” era um amor global, amigo e familiar; “ágape”, aquele amor amplo, além do simples desejo e “eros”, o poderoso amor carnal culpado por tantas cabeças cortadas na Idade Média. Machado de Assis já dizia que “há quem diga que o primeiro amor nasce apenas da necessidade de amar”. Considerando que o restante dos animais da Terra, aparentemente não possuem tal sentimento, a hipótese parece fazer bastante sentido. Seria o amor pura invenção?

50-illustrations-montrant-que-lamour-se-trouve-dans-les-gestes-simples-du-quotidien-une.jpg

Tantas alegrias traz amar alguém, amar algo, tudo fica mais simples e mais bonito, enxerga-se mais paisagens, outros horizontes. Contudo, o vício por essa emoção pode levar a excessos de ira, à pura perdição. Violência e obsessão não combinam com o amor, isso não é amar. Analisando o uso dessa palavra na antiguidade e na era atual, a mim parece que ainda havia mais aprisionamentos emocionais nas épocas em que pouca era a liberdade de cada indivíduo para amar, porém amavam. Tanto que o próprio Luís de Camões disse há séculos atrás, que o amor “(…) é fogo que arde sem se ver, é ferida que dói e não se sente (…)”, não é um conceito moderno, mas nossa era prova sua continuidade, com a diferença de que hoje as pessoas possuem um comportamento, em geral, mais amplo em relação aos relacionamentos.

O amor surgiu juntamente com a humanidade, a partir do momento em que se começou o sentimento por outro indivíduo, a formação de “famílias”. É desde que existe amor, que o homem em si existe, como no clássico da sétima arte de Stanley Kubrick, em que o fim da era primitiva se dá pela troca de olhares entre dois primatas que acabam de receber a personificação do afeto, um filhote. Portanto, perdição não se encaixa na descrição. Salvação, essa sim é sinônimo de amar e o que é amar, se não um verbo no “infinitivo”?

images.jpg

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s