ATITUDE FILOSÓFICA, ONDE FOI QUE DEIXEI?

ATITUDE FILOSÓFICA, ONDE FOI QUE DEIXEI?

Convencer, do Latim convincere, com (junto) e vincere (dominar, vencer), sobre algo, é praticar um exercício retórico, o qual geralmente leva a um labirinto que impossibilita relativizar opiniões, pensamentos e ideias.

O que?, por que?, como? e para que?, as perguntas essenciais da Filosofia. Perguntas que nos remetem às indagações pueris. Todos nós em maior ou menor medida, utilizamos de tais indagações quando crianças. O curioso é a maneira como com o passar dos anos, ao invés de aprimorarmos o hábito, tornando-nos experientes na arte filosófica, acontece o contrário: elas passam a ficar cada vez mais raras em nosso dia a dia.

why-1641898_1920.png

Com o passar do tempo, começamos a perceber as perguntas como marca própria do mundo infantil. Adultos não costumam fazer tantas perguntas, pelo contrário, os adultos possuem as respostas. E toda a criança deseja ultrapassar a barreira infantil, chegar ao nível do adulto, que tudo sabe, que tudo pode.

Na escola o aluno que muito questiona, que não aceita ou não se adequa aos modelos prontos de aprendizagem aos quais é apresentado, geralmente é punido. No contexto doméstico, idem. A criança deve agir de determinada forma pois é a forma correta. Ponto. Adultos que não praticam questionamento, muito dificilmente serão estimuladores da curiosidade e da criatividade, que passam longe da estrutura de pensamentos e atitudes pré-moldadas.

É nesse contexto que jovens são impelidos a possuir a maior quantidade de “conhecimento”, em menor tempo. É provavelmente por causa da supervalorização do posicionamento imediato que a sociedade impõe, que nos fechamos para o exercício filosófico, deixando de amadurecer ideias e optando pela aceitação de concepções prematuras. Ao ser indagada sobre a obra de Shakespeare ou sobre o atual governo, tudo o que preciso é de um posicionamento claro e convincente. Convencer, do Latim convincere, com (junto) e vincere (dominar, vencer), sobre algo, é praticar um exercício retórico, o qual geralmente leva a um labirinto que impossibilita relativizar opiniões, pensamentos e ideias.

No entanto, possuir um posicionamento coerente, não devemos esquecer, é diferente de possuir um posicionamento imparcial, que não permite relativizações. E quem não se preocupa em relativizar, em refletir, repensar questões, mostra que se importa mais com a quantidade do que com a qualidade de suas afirmativas. Temos de ter as respostas para ontem! Não podemos ser pegos desprevenidos!

bustos-756620_1280.jpg

E qual é o caminho mais fácil e rápido de adquirir tantas respostas? O da irreflexão, o da superficialidade, o da aceitação e incorporação de respostas prontas, pensadas por outros, ao nosso repertório. É assim que, na maior parte do tempo, nos posicionamos em relação à vida. A boa notícia é que embora difícil nunca é tarde para optar por um pensamento mais relativizante sobre nós mesmos e o mundo que nos circunda.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s