UM DOS GRANDES ÁLBUNS DE ROCK PROGRESSIVO DE 2016

UM DOS GRANDES ÁLBUNS DE ROCK PROGRESSIVO DE 2016

A banda britânica Big Big Train demonstrou vez mais sua maestria com o álbum Folklore, que traz pelo menos duas obras-primas do subgênero.

BigBigTrain.jpg

Durante a maior parte de sua já longa carreira o Big Big Train (BBT) tem sido independente, exceto por um par de anos nos 90’s, quando assinou com a Giant Electric Pea. Também tem sido banda de estúdio; apresentações ao vivo começaram ano passado, em Londres, saudadas pela diminuta comunidade prog.

Fundada no início dos anos 90 por fãs do Genesis, Van Der Graaf Generator e da Neo Prog IQ, o Big Big Train sempre esteve na fronteira entre o Prog e o Neo. A familiaridade com o venerável grupo de Peter Gabriel/Phil Collins não pode ser olvidada. A voz de David Longdon às vezes lembra a dos dois colegas mais famosos e o baterista é Nick D’Virgilio, um dos substitutos das baquetas vagas pela defecção de Collins e que tocou no desastroso Calling All Stations (1997). Não usemos isso contra o batera e nem a similaridade vocal contra Longdon, que está cantando melhor do que jamais, mas os fatos explicam bastante porque alguns momentos do nono álbum – Folklore, lançado dia 27 de maio de 2016 – soam como We Can’t Dance (1991) poderia ter sido, caso Banks/Collins/Rutherford estivessem com tempo para fazer boa música e não consumidos com intermináveis turnês e contagem de dinheiro. Ouça a faixa-título e Wassail e digam se não tem jeitão de Genesis early 90’s.

A beleza do BBT é que a influência genesiana e de outros clássicos progressivos, como Jethro Tull e Renaissance, é ressignificada para criar sonoridade que é da banda, mas claramente pertence a uma tradição subgenérica, a saber, a do rock progressivo de mat(r)iz britânica. Ouça a faixa-título novamente e digam se não tem teclado fase Banks início dos 70’s e música celta, coexistindo com a vibe noventista.

A influência celta deve justificar o folclórico título do álbum. Em Winkie, a pastoralidade é rapidamente substituída por dança de aquecimento para uma batalha entre celtas e saxões. Dá vontade de pintar a cara de azul, calçar os sapatos vermelhos da Kate Bush (ouça a faixa-título de seu álbum de 93 e digam…) e lutar pela Escócia! As canções, porém, nunca são lineares; o mutável clima em Winkie reflete a história do pombo-correio que tem a missão de transportar mensagem que pode salvar soldados ilhados. Quase 8 minutos e meio de extravagância prog e isso nem é o melhor do álbum. Winkieeeeeeeeeeeeeeee!

London Plane, Along The Ridgeway e Salisbury Giant intercalam a melancolia prog tão pastoral britânica de começo dos anos 70 com momentos mais vibrantes – mas não pesados – prenhes de Mellotron, Moog e flautas e de vez em quando piscada para o Yes e o Tull. Como Longdon canta! E ainda nem falei sobre os picos de excelência de Folklore.

O primeiro vem com os mais de 7 minutos de The Transit Of Venus Across The Sun. Quer mais prog do que paralelizar um relacionamento com um fenômeno astronômico? Se você digitar o título da canção no Google, encontrará todas as informações e até vídeos sobre o trânsito venusiano. A canção abre como hino religioso, vira melodia do Genesis fase 12-string guitar e vocal muito Peter Gabriel e segue se movendo numa melodia memorável com harmonias vocais de arrepiar e o orgasmo quando todos esses elementos se unem.

A catarse everéstica fica por conta da dúzia de minutos e meio de Brooklands, épico progressivo que quando se acha que vai acabar, muda o andamento e nova avalanche instrumental soterra o ouvinte numa canção espertamente construída por uma guitarra que não sola quilometricamente sozinha, mas à Steve Hackett costura por baixo unindo e conduzindo tudo. Brooklands é a penúltima faixa de Folklore, que não acaba com essa apoteose, embora pareça duro de crer. Telling The Bees ajuda a baixar o surto de euforia (assim que você despressionar a tecla repeat) com um pequeno milagre início dos 70’s, que logra misturar country com soul e ainda Tony Banks. The Cowboy Junkies encontra Gladys Knight & The Pipes e Tony Banks.

O Big Big Train finalmente conseguiu achar o equilíbrio entre progressivo e neo prog, entre suas influências explícitas e seu talento próprio, entre técnica e emoção. O resultado é um álbum que constou em todas as listas de melhores LPs de rock progressivo de 2016 e ajudou o Big Big Train a levar o prêmio de melhor banda do ano, no Prog Awards.

 

Anúncios

Um comentário em “UM DOS GRANDES ÁLBUNS DE ROCK PROGRESSIVO DE 2016

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s