GRACE TEM UM POUCO DE TODOS NÓS

GRACE TEM UM POUCO DE TODOS NÓS

Letras que falam de amor, depressão, solidão, esperança. Sentimentos inerentes a todos os seres humanos e poucos artistas conseguem transmitir tão bem quanto Jeff Buckley.

960.jpg

O primeiro e último disco de Jeff Buckley é uma obra prima, impossível de se estimar o valor das melodias e letras que seguem imortalizadas por uma genialidade e voz inconfundíveis.

Com apenas 6 anos de carreira e um álbum gravado em estúdio (Grace, 1994), Jeff Buckley nunca vendeu discos a ponto de ser um astro mundialmente conhecido, porém conseguiu grandes elogios por parte da crítica e de músicos como Bob Dylan, David Bowie e Jimmy Page que afirmou em uma entrevista que ouviu Grace inúmeras vezes e disse que foi um dos melhores discos dos anos 90. Concordo Jimmy.

Grace serviu de influência para varias bandas, entre elas Radiohead e Muse.

170402526-c7d802a4-576e-41d0-8b70-3c82a3f2562a.jpg

O disco caminha entre o Jazz, Folk e claro, Rock. Começa com Mojo Pin e já é possível sentir a paixão de Jeff em cada nota, em sua voz ou na guitarra que ainda um pouco tímida mas que aos poucos mostra arranjos e arpejos bem elaborados.

Grace vem logo em seguida com uma melodia mais intensa e arranjos impecáveis. Passando por Last Goodbye onde se despede (“… this is our last goodbye, I hate to feel the love between us die, but it’s over…”) e mostra o lado amargo do amor. As próximas são Lilac Wine e So real, esta última com um lado mais Rock e até meio misterioso.

Logo em seguida um cover, Hallelujah de Leonard Cohen. Gravada apenas na guitarra e voz, é uma das mais belas músicas do disco, e a voz do Jeff deixa a música mais “suave”, o contrário da versão original.

Lover, You Should’ve Come Over vem logo depois, e é uma balada melancólica, parece claro em sua letra a não aceitação de um término de relacionamento, mas que a volta também parece improvável e é quase um hino para os corações despedaçados. É a trilha sonora daquele limbo que a gente permanece após a separação e fica evidente na parte: “…too young to hold on and I’m much too old to break free and run…” (jovem demais pra aguentar e velho demais pra me libertar e fugir)”

Fica evidente nas letras que Jeff cantava o que vivia e o que sentia, e quando se faz algo com a paixão e a sensibilidade que ele possuía, você se torna atemporal e imortal. Letras que falam de amor, depressão, solidão, esperança. Sentimentos inerentes a todos os seres humanos e poucos artistas conseguem transmitir tão bem quanto Jeff Buckley.

Grace é um disco que guardo e invariavelmente acabo ouvindo-o de tempos em tempos. De alguma forma ele me ajuda a superar qualquer sentimento relativo a amor, solidão, raiva.

Jeff morreu vítima de um afogamento no dia 27 de Maio de 1997, aos 30 anos.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s